julho 2011

Fraqueza e Força do Cristão

Por José Luiz Pires

Na agenda da semana de oração reservo a sexta-feira para nossa Pátria. E, como nos outros dias, há uma lista de motivos de interseção dentro do tema geral.

Encimando essa lista, tenho escrito, para que possa lembrá-lo sempre, nesse dia: Isaías 40.15. Apenas o nome do livro e os números do capítulo e versículo correspondentes; porque o texto já o tenho de cor: “Eis que as nações são consideradas por Ele como um pingo que cai de um balde, e como um grão de pó na balança; as ilhas são como pó fino que se levanta.”

A relação de motivos nesse dia é terrível nos seus desafios. Começa com a Presidente da República e vai até o mendigo que perambula por nossas ruas. Entre esses dois extremos há coisas que são grandes demais para minhas forças. Encarando-as, elas parecem zombar de mim. De repente dou com minha fé assustada e encolhida num canto da alma. Sinto que algo em mim fraqueja e está quase a concordar com a oposição… vejo-me como um soldado israelita acossado pelo gigante filisteu. O terreno seco e árido, que habito, ameaça a planta que o Pai Celestial plantou. É então que volto o olhar acima da minha lista. Ali está aquela seta que aponta para a fonte cujas águas trazem vigor à minha intercessão.

A fé cristã se fundamenta na soberania, no poder e no amor de Deus. De modo mais ou menos sentido e em diferentes níveis, todo crente tem experimentado a luta entre seu homem natural e seu homem espiritual. Tal confronto se torna inevitável quando se trata das coisas eternas. Incapaz de conhecê-las, nosso ser natural se insurge, considerando-as inexistentes ou absurdas. A atitude de Pedro, opondo-se ao que Jesus dizia a respeito dos seus sofrimentos e morte próximos, é uma demonstração clara dessa verdade.

Somos um campo onde essas duas naturezas – a de Adão e a de Cristo – estão em guerra permanente. As batalhas aí travadas podem se tornar cruentas. O suor, como gotas de sangue, vertido pelo Senhor Jesus, no Getsêmani (Lucas 22, 29-46), fala desse conflito na sua máxima intensidade. Presente naqueles que nasceram de novo, essa ambiguidade nos obriga a uma total dependência do Espírito através da Palavra.

Como nascido de Adão, o homem permanece vulnerável a, pelo menos, três posições incertas:

1. Uma incredulidade radical;

2. Uma credulidade ingênua e supersticiosa;

3. Uma religiosidade cujo Deus está condicionado às limitações humanas.

O cristão atento dispõe de recursos que podem preservá-lo desses perigos. Vivendo apoiado na Palavra, esta o eleva acima da sua insignificância e o faz caminhar nas alturas (Habacuque 3.19). Sabe que Davi venceu Golias não por sua força, pela funda ou pela pedra que lançou, mas pelo poder de Deus. Ele descansa na absoluta soberania do seu Deus.

Ao invocar a imagem da gota d’água que cai do balde, a gota–Brasil surge à nossa imaginação, contaminada, turva, poluída. A corrupção, a imoralidade, o cinismo, roubaram-lhe a pureza, expondo-a ao desprezo e à desconfiança. A cruz levantada nela, nos primórdios de sua história, representou, sim, um sinal de conquista e domínio; jamais um memorial d’Aquele que a tornou símbolo de redenção.

Constatar tal fato não significa, porém, para o crente, uma declaração de fracasso ou desistência. Isaías, o profeta que proclamou a grandiosidade e o poder de Deus, abre o seu livro descrevendo, de modo impressionante, a condição do povo israelita de seu tempo (vv 1-17). Essa realidade deplorável, entretanto, será, apenas, o fundo escuro para os mais belos quadros que chegaram até nós em páginas imortais.

Preso aos seus limites e preconceitos, o homem natural, como um pássaro de asas amputadas, se vê retido ao pó, sua origem e destino. “Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias…” (Isaías 41.31a). As alturas são a sua atmosfera, o céu, a sua vocação. A incredulidade treme e zomba; a credulidade recorre aos amuletos; a religião sem Deus cogita no escuro. A Palavra, porém, proclama o Reino Eterno do Senhor. Não fomos entregues à nossa condição humana de míopes espirituais. Através da Palavra, o fiel tem os olhos, a mente e o coração de Deus. Fundada nesta verdade, a Igreja tem repetido ao longo dos séculos, em meio a todas as adversidades, a doxologia da sua vitória: “Teu é o reino e o poder e a glória para sempre”. Se, orando pela Pátria, nos vemos com mãos descaídas e joelhos trôpegos ( Isaías 35.3, Habacuque 12.12), nos acode esta exortação: “Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus. Serei exaltado entre as nações, serei exaltado na Terra” (Salmo 46.10). O Brasil faz parte do concerto de nações em que o Deus Eterno se vê exaltado. No Senhor temos suporte para a ousadia e exultação da esperança (Habacuque 3.6).

Seria muito triste saber de um Deus infinitamente grande, todo poderoso, mas indiferente ao destino de Sua criação. “Deus amou o mundo” (João 3.16). Nem um só ato da criação, sequer, pode estar dissociado do amor de Deus. “Deus é amor.” (I João 4.8). Esta certeza guarda da insegurança, eleva o espírito e restaura a alma.

O mundo em que vivemos, indiferente e hostil ao Criador e à Sua vontade, será cheio do conhecimento da glória do Senhor como as águas cobrem o mar (Habacuque 2.14, Isaias 11.9). A natureza que violenta, corrompe e destrói, em todos os níveis da criação, se converterá num reino perene de ordem e paz. A realidade atual aos olhos do Senhor é como o diamante aos olhos do ourives. Este, na pedra bruta, vê a jóia preciosa; Deus, na miséria humana, vê o reino de Seu Filho – um domínio de beleza e paz inefáveis. As Escrituras se abrem a partir do abismo e das trevas (Gênesis 1.2) e se encerram com o Novo Céu e a Nova Terra (Apocalipse 21.1), conquista do poder do amor “Meu Pai trabalha e eu trabalho até agora” (João 5.17). O tempo testemunha a mão atuante do Eterno. Da desordem e da escuridão o Amor faz nascer a violeta, a ternura materna e o sorriso da criança…

Jesus, ontem e hoje é o mesmo e o será para sempre (Habacuque 13.8). Da escuridão entre as tardes e manhãs dos seis dias, a Palavra Criadora fez vir à luz os céus, a terra, o mar e tudo que neles há. Neste sétimo dia da nossa escuridão humana, o Senhor se compraz ao contemplar a Palavra realizando Sua obra redentora. Com Seu olhar eterno vê consumado o que confiou ao Filho. E descansa… “Uma comida tenho que vós não conheceis” (João 4.32); “…o que eu faço não o sabes agora, compreende-lo-ás depois”( João 13.7); um descanso desfruto que não podeis perceber ainda…

D’Aquele que se ofereceu em sacrifício sobre a cruz se ouviu e se ouvirá pela eternidade: “Deus amou o mundo”. Esta, para a humanidade, representa a expressão mais gloriosa proferida pelo Verbo Eterno. Porque nela está assegurada a sua redenção. Está escrito: “Do Senhor é a terra e sua plenitude, o mundo e os que nele habitam” ( Salmo 24.1). Como servos, somos concitados a orar não somente por nossa Pátria e seus grandes problemas, mas também pelas nações e tudo o que com elas se relaciona. Jesus, com seu povo, está empenhado numa guerra de conquista da Terra, um domínio ainda sob o pai da mentira (João 8.44).

Não é isso, porventura, que está implícito na oração que Ele ensinou aos seus discípulos? “Pai Nosso, que estás nos céus, santificado seja o Teu nome, venha o Teu reino, seja feita a Tua vontade assim na terra como no céu”. Se oro o Pai Nosso, num sentido abrangente oro pelo Brasil todo dia (e não apenas na oração específica de sexta-feira) pois o país em que habito está na Terra na qual peço seja feita a vontade de Deus. Somos do Senhor e integrados por Ele no Seu plano redentor (I Corintios 3.9). A intercessão é parte vital do programa divino em ação. O Senhor Jesus o demonstrou, fartamente, quando entre nós (Mateus 14.23, 26.36.39,42; Marcos 1.35,6.46; Lucas 3.21,5.16,6.12,9.29,11.1,22.41-45). Á direita do Pai, continua, ainda, nesse ministério a nosso favor (Romanos 8.26-27). De igual modo, o Espírito Santo exprime o amor de Deus, orando em nós com gemidos inexprimíveis. Herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Romanos 8.17), nossa glória maior é estarmos identificados com Ele nessa tarefa.

Orando, o cristão não o faz no próprio nome, mas no nome d’Aquele em quem tudo subsiste (Colossenses 1.17). A nossa tibiez vem de Adão, que foi derrotado no Éden; nossa ousadia vem de Cristo, que venceu a morte no Calvário, e tem tudo sob seus pés (Atos 2.35; Efésios 1.22).

Nosso Deus tem o domínio absoluto! Tem o poder infinito! E é amor que triunfa! Posso orar confiante!


Share
0
0